quarta-feira, 10 de junho de 2009

Até aonde vai a ganância humana?


Muito se houve falar em guerras no continente Africano. Todo dia, alguém passa a vista em uma notícia que dá conta de um conflito armado acontecendo. Como o caso é distante e não atinge nenhuma potência econômica mundial, o destaque para isso é quase nulo.
A grande mídia não se importa, pois não vende jornal e não arrebanha novos telespectadores, resumindo: Não dá Ibope.
Blogueando por aí, encontrei o excelente post no Blog do Marona, escrito por Guido Cavalcante, dando conta do conflito que acontece na República Democrática do Congo. Neste exato momento, dois países ocupam militarmente o território do Congo.
O principal motivo é que o país ocupado é o principal produtor de Coltan (columbita+tantalita), matéria prima para componentes eletrônicos de celulares, laptops e afins.
Resumo do massacre: Mais de 5 milhões de mortos, desde 1996.

Clique aqui para conhecer a fundo esta triste página da História Mundial.

5 comentários:

  1. É uma pena não se importarem tanto com este assunto, pois cabe a todos ajudar e dar solidariedade.legal ver isso por aqui, um abraço.

    ResponderExcluir
  2. a ganancia do ser humano assim como desenvolve destroi, sempre foi assim dificilmente mudara!!

    ResponderExcluir
  3. É inerente ao espírito a busca incessante pelo ter. Contudo, a própria lei da Vida estabele um limite para tudo e, toda vez que a exacerbação eleva essa mesma busca a um nível insuportável, capaz de quebrar a referida lei, que é a LEI de Harmonia Universal, o homem descamba para o sentimento menor da ganância que o recua ao seu primarismo animal.Perde, portanto, momentaneamente, a razão. E se auto-classifica de "sabido". Lastimável!!!
    Maridásio Martins - Savador-Ba

    ResponderExcluir
  4. Adorei o texto e usarei com base para um importante trabalho que tenho de fazer,senão se importar... Dando,obviamente,dando o devido crédito a ti...

    Muito Obrigada pela ajuda...

    ResponderExcluir
  5. Mariana,

    Fique a vontade!
    :)

    Leo Lagden

    ResponderExcluir